Loading...

Páginas

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Cristianismo Sem Cristo – Parte II

Semana passada escrevemos um artigo discorrendo sobre algumas das matrizes conceituais básicas que norteiam o livro Cristianismo sem Cristo, de autoria do teólogo norte-americano Michael Horton. Na oportunidade, dizíamos que, conquanto as reflexões do aludido teólogo se amparassem nas realidades observadas no território da América, elas poderiam perfeitamente ser aplicadas ao contexto da igreja evangélica brasileira, a qual, a olhos vistos, se tem afastado da simplicidade e da pureza inerentes ao evangelho de Cristo e, ato contínuo, tem, sem escrúpulo doutrinário algum, acolhido estranhos ensinamentos e práticas litúrgicas completamente destituídos de qualquer chancela da Palavra de Deus.

O evangelicalismo brasileiro, com as exceções devidas a todas as regras, tem manifestado um profundo desprezo pela objetividade do caráter doutrinário presente em toda a Escritura Sagrada. Aliás, em alguns círculos, a própria palavra doutrina tem sido encarada, no mínimo, com indisfarçada suspeição. O apreço pela doutrina tem sido considerado como o paradigma comportamental predileto de crentes frios, acadêmicos e inteiramente desinteressados por um envolvimento maior com a chamada obra do Espírito Santo. O lema privilegiado dos que raciocinam dessa maneira é o seguinte: “doutrina não me interessa, o que me interessa é a vida”.

O simplismo de tal postulação ignora que o cristianismo é uma religião revelada, fundamentada na revelação graciosa que Deus quis dar acerca de si mesmo, alicerçada na obra gloriosa que Jesus Cristo realizou no calvário para salvar a sua igreja e, de igual modo, na doutrina da Trindade bendita. Aliás, para que não tivéssemos dúvida alguma a esse respeito, foi o Senhor Jesus Cristo que, na Oração Sacerdotal, clamou ao Pai, dizendo: “santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade” (João 17.17).

Como se pode ver, no conceito de Jesus Cristo é a Palavra de Deus que norteia a vida do crente, fornecendo-lhe balizas seguras para o seu caminhar cotidiano. A ênfase de Cristo é na suficiência da Palavra de Deus e não no império movediço das experiências humanas. Em suma, é na Palavra de Deus que a vida do cristão deve buscar a orientação segura para o seu santo e piedoso proceder. Ao divorciar o Espírito Santo das Escrituras Sagradas, pretextando uma espiritualidade supostamente mais elevada, o evangelicalismo dominante na geografia brasileira abre as portas para o misticismo e para o mais desmedido culto da subjetividade.

Na prática, “o que Deus me diz vale mais do que o Deus já disse em sua Palavra”. Palavra que, nesse caso, embora ainda seja recepcionada como inspirada e inerrante, há muito deixou de ser suficiente. Sim, porque se ela é suficiente, não há mais necessidade de que eu viva procurando novas revelações. Se a minha vida é pautada pela busca desenfreada por novas revelações, venham elas de onde e de quem vierem, então, conclusão lógica, a Palavra de Deus pode ser qualquer coisa, menos suficiente, autoritativa e normativa para todas as questões da existência.

Essa postura, ávida pelas chamadas novas revelações do Espírito, de acordo com o teólogo reformado Sinclair B. Ferguson, termina fazendo com que “o cânone de regras para a vida da igreja seja buscado cada vez mais na viva voz inspirada pelo Espírito dentro da igreja em vez de na voz do Espírito ouvida na Escritura”.

Além do misticismo triunfalista, o evangelicalismo brasileiro tem exibido também a perversa face da opulência financeira de alguns dos seus proponentes, estribados na mercadológica teologia da prosperidade, que faz da riqueza o sinal único e evidenciador das bênçãos de Deus. Aí estão os apóstolos, paipóstolos, mãepóstolas, dentre outras bizarras nomenclaturas, exibindo as suas milionárias mansões, os seus carrões importados e as suas sorridentes fisionomias nos nobres e caríssimos horários de televisão, tudo regiamente mantido pelo dinheiro facilmente retirado de crentes vulneráveis teologicamente e que, diferentemente dos que habitavam a região de Bereia, pouco vão às Escrituras para perquirir a genuinidade ou falsidade daquilo que lhes tem sido ensinado em nome de Deus.

Paralelamente ao triunfalismo de natureza econômica, temos também os evangelistas do curandeirismo barato e absolutamente superficial, que transformam os cultos em verdadeiros shows de sensacionalismo e descontrole emocional, ignorando totalmente a mensagem que salva o pecador da miséria espiritual em que ele se encontra e de uma eternidade definitivamente banida da presença gloriosa de Deus.

Aí está a gospelização triunfante da música evangélica atual, protagonizada, na maioria das vezes, por bandas e cantores que, sem mentoria espiritual séria e bíblica, nas asas de letras teologicamente insustentáveis, têm eletrizado multidões e, claro, ganhado muito dinheiro, fazendo do evangelho um verdadeiro negócio. Basta ver o quanto tais estrelas cobram para a realização de apresentações que em matéria de profanação do santo nome do Senhor em nada se diferencia daquilo que é praticado por quem não conhece a Deus.

Como diria Martinho Lutero, estamos, vergonhosamente, trocando a teologia da cruz pela teologia da glória, não a glória que Deus já preparou para os seus filhos desfrutarem na eternidade, mas sim a glória do aqui e do agora, construída por uma teologia pragmática e visceralmente comprometida com os egoísticos projetos de felicidade de quem, fora de Cristo, os tem concebido para a sua própria perdição.

Contra esse cristianismo oba oba, deísta, terapêutico, psicológico e anticristão, precisamos nos insurgir, reconciliando-nos com a proclamação simples e poderosa da cruz do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo, na qual encontramos graça que regenera, justifica, santifica e, no final da história, nos há de glorificar para sempre, libertando-nos, definitivamente, da mais leve sombra e do mínimo vestígio do pecado.

Talvez algum estranhe a tonalidade mais dura da presente reflexão. O problema é que, a partir do momento em que o coração do evangelho de Cristo acha-se ameaçado, a única postura esperável de quem verdadeiramente ama a Deus e valoriza a sua Palavra é que se tinge de firmeza e infrangível compromisso com as Escrituras Sagradas. Não podemos, em hipótese alguma, em nome de um conceito flácido e sentimental de amor, fazer vistas grossas a procedimentos que destoam flagrantemente daquilo que Deus preceitua em sua santa Palavra.

Ao se deparar com os judaizantes que, com a sua proposta de retorno aos rudimentos da lei cerimonial, estavam minando a suficiência da obra de Jesus Cristo no calvário, o apóstolo Paulo não hesitou em classificá-los de pregadores anatematizados e anunciadores de um outro evangelho, o qual não glorifica a Deus, não exalta a pessoa e a obra de Cristo e, por fim, fornece aos que o ouvem falsas esperanças. Que Deus tenha misericórdia de nós e nos dê a graça de estarmos constantemente avaliando a natureza do cristianismo que professamos, a fim de não corrermos o risco de estar removendo os seus irremovíveis alicerces.

SOLI DEO GLORIA NUNC ET SEMPER.
PRESBÍTERO JOSÉ MÁRIO DA SILVA.



Nenhum comentário:

Postar um comentário